contact@meridapublishers.com | Canoas- RS, Brasil

Outubro 2021

O texto original deste artigo foi participante e vencedor do concurso do 2º Congresso Virtual de sequência em twitter Desgranando Ciencia 7

Neste artigo, vou contar uma história de tratamento, traição, punição e o incesto ocasional. Mas, não, não se trata de Game of Thrones, mas de figos, figueiras e vespas.

É uma história muito antiga, que começou antes mesmo de George R. R. Martin nos deixar esperando o fim de sua saga de livro. É uma relação de mutualismo que começou aproximadamente 70-90 milhões de anos atrás. No entanto, para saber antes, devemos saber algo muito importante sobre os figos.

Azucena Martín Sevilla

Biotecnologista e editora em Hipertextual

Almería, Espanha.

E é que, na realidade, essas frutas não são frutas típicas. Em vez disso, são flores, especificamente flores invertidas. Isso significa que as flores da figueira crescem para dentro e são circundadas por uma espécie de vagem em forma de pêra, o que lhe dá aquela aparência que todos conhecemos. Nele existem muitas flores, cada uma das quais acaba dando um pequeno fruto, chamado aquênio. Portanto, os figos já maduros são infrutíferos, sendo constituídos por muitos frutos pequenos. São precisamente eles que lhes conferem o seu toque característico de crocância.

O problema de tudo isso é que, como as flores estão cobertas, não podem ser polinizadas da maneira tradicional. Eles precisam manter um relacionamento com certas espécies de vespas em que todos se beneficiam. Supostamente.

O seguinte ocorre nele. Uma vespa fêmea grávida é introduzida em um figo através de um orifício muito pequeno que é encontrado naturalmente nele. Na verdade, o buraco é tão pequeno que perde suas asas no processo. Isso o impedirá de sair novamente, então ele morrerá lá. Um grande sacrifício para a prole. Uma vez lá dentro, se o figo em questão for macho, você pode colocar os ovos nele. Deles nascerão as larvas, que se alimentarão de alguns tecidos do próprio figo, mas isso não faz mal à árvore, que também se beneficia, como veremos a seguir.

Voltando às larvas, quando se tornam adultas, copulam umas com as outras. Sim, irmãos com irmãs, no estilo de Jaime e Cersei Lannister. A verdade é que não têm muito por onde escolher, visto que os machos já não vão conseguir sair de lá, pois não têm asas. Mas eles têm mandíbulas grandes, que usarão para abrir uma passagem e um novo buraco pelo qual suas irmãs podem sair sem perder suas asas. As coisas que eles fazem por amor.

Depois de fecundadas, as fêmeas saem do figo, com o pólen deste colado nas pernas, e voam em direção a outro figo. E agora duas coisas podem acontecer. Se o figo que encontrarem for macho, todo o processo anterior será repetido. Por outro lado, se for fêmea, não poderão ali depositar os ovos, pois não estão preparados para poder abrigar as larvas. Mas não terá sido em vão, pelo menos para a figueira, pois aproveitarão para deixar ali o pólen que trouxeram do figo masculino em que nasceram, contribuindo para a polinização da planta.

As traições começam

Tudo o que vimos até agora é uma relação de mutualismo, da qual os dois participantes se beneficiam. Por um lado, as vespas têm abrigo e alimento para suas larvinhas e, por outro, a figueira tem aliados para a polinização. O problema é que existem vespas trapaceiras, que pulam a sua parte na barganha e traem a figueira que as alimentou, no mais puro estilo de Theon Greyjoy em Game of Thrones.

Resumindo, sim, colocam seus ovos dentro de figos, mas não interferem na polinização. Dessa forma, a relação deixa de ser um exemplo de mutualismo para se tornar parasitismo. Agora, apenas um dos dois benefícios. Mas a figueira não fica parada de braços cruzados. Pelo menos não o faria se tivesse armas, pois é capaz de detectar as vespas que o fazem e puni-las. E como você faz isso? Bem, basicamente, largando os figos em que essas vespas estão, para que apodreçam no chão antes que as fêmeas cheguem à idade adulta e possam sair. Ele literalmente os executa.

Nem todas as espécies de figueira exercem essas punições, mas muitas sim, pois assim conseguem manter afastadas as espécies de vespas que não querem pagar sua dívida com a árvore.

Comemos as vespas?

Uma vez que saibamos disso, é inevitável que essa pergunta surja em nossas mentes. No entanto, podemos ficar tranquilos, pois as vespas fêmeas que morrem após a postura dos ovos e os machos que não conseguem sair após a eclosão se decompõem, graças a uma enzima presente no fungo, chamada ficina.

Portanto, dizer que comemos vespas quando comemos um figo é como dizer que, quando comemos uma cebola, comemos um camundongo ou um lobo gigante que morreu e se decompôs no solo de onde o coletamos. Faz parte do ciclo de vida dessas espécies.

Portanto, não, não há nada a temer. E de qualquer maneira, não vamos ser tão fantasiosos também. Teremos comido coisas mais estranhas.

Nós queremos saber a sua opinião