contact@meridapublishers.com | Canoas- RS, Brasil

Agosto 2021

Testes estatísticos multivariados são de capital importância para interpretação de resultados provenientes de estudos que envolvem interações tróficas em sistemas agrícolas. Apesar da considerável importância, menos de 5% dos artigos publicados na área têm explorado testes multivariados. As principais causas associadas ao não uso da análise multivariada é que os pesquisadores desconhecem tais técnicas, ou quando conhecem sentem-se inseguros para tal aplicação.

Ao invés de tentar compreender a variação em uma dada resposta em termos de variáveis exploratórias, nos testes estatísticos multivariados a estrutura como todo do banco de dados é o principal alvo da análise.

A abordagem multivariada possibilita a exploração de ligações estruturais que envolvem um grande número de variáveis, permitindo também meios de classificação do habitat e da estrutura do agroecossistema. Tomando-se como referência a eficiência de predação e/ou parasitismo, abundância populacional e/ou coocorrência de inimigos naturais com as suas presas ou hospedeiros, a exploração de análises multivariadas poderá exercer uma capital importância para programas de manejo de pragas que são fundamentados em princípios de sustentabilidade, que é o fornecimento de informações relacionadas à prospecção de agentes de controle biológico.

José Bruno Malaquias

Departamento de Bioestatística

Instituto de Biociências

Jéssica Karina da Silva Pachú

Doutoranda em Entomologia

ESALQ-USP/Piracicaba-SP

Francisco de Sousa Ramalho

Pesquisador Entomologista da Embrapa

Algodão, Campina Grande-PB.

Dentre as análises multivariadas que têm sido utilizadas em estudos relacionados à abundância de herbívoros e a riqueza de inimigos naturais, as análises baseadas em componentes principais, agrupamento, análise discriminante, stepwise, permanova, escalonamento multidimensional e análise de correspondência têm merecido uma especial atenção.

Em estudo multivariado conduzido por Malaquias et al., (2017) que envolveu formas ápteras e aladas do pulgão Aphis gossypii Glover, 1877 (Hemiptera: Aphididae) e seus inimigos naturais em algodoeiro cultivado em diferentes espaçamentos, foi possível caracterizar os dados de abundância temporal de pulgões e seus inimigos naturais, usando componentes principais; analisar o grau de correlação entre os insetos e entre grupos de variáveis (pragas e inimigos naturais); identificar os principais inimigos naturais responsáveis pela regulação de populações de A. gossypii e investigar as semelhanças nos padrões de ocorrência de artrópodes em diferentes espaçamentos de lavouras de algodão ao longo de duas safras.

No estudo de Malaquias et al., (2017), foram constatadas altas correlações da ocorrência de Scymnus rubicundus (Erichson, 1847) com pulgões, que foram evidenciadas por meio da análise de componentes principais, bem como pelo importante papel que a espécie desempenha na análise de correlação canônica. O agrupamento da presença de afídeos ápteros corresponde ao padrão verificado para Chrysoperla externa nos três diferentes espaçamentos entre fileiras (0,40; 0,80 ou 1,60 m). Os resultados também indicaram que S. rubicundus é o principal candidato para regulação das populações de pulgões em todos os espaçamentos estudados.

 

As abordagens multivariadas utilizadas auxiliam na otimização das estratégias de controle de pragas devido à possibilidade de um melhor aproveitamento das estratégias de amostragem de pulgões, bem como a conservação e liberação de seus inimigos naturais. Diante da relevância contextualizada acima encorajamos a utilização de tais análises por entomologistas em estudos que envolvem um grande número de interações de insetos-praga e de seus predadores e/ou parasitoides.

Queremos saber sua opinião